Henrique Dourado marca duas vezes e Flu vence o Atlético-MG

© NELSON PEREZ/FLUMINENSE F.C.
Foram pouco mais de 9 mil pagantes, muito abaixo dos 20 mil, o necessário para o Fluminense evitar prejuízo nos jogos
O Fluminense reencontrou Fred, na noite desta segunda-feira (21), no Maracanã. Mas o momento é de Henrique Dourado. O atual dono da camisa 9 tricolor marcou duas vezes, ambas de cabeça, e foi o nome do jogo na vitória por 2 a 1 sobre o Atlético-MG, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro.
Com o resultado, o Fluminense chegou aos 30 pontos, mesma pontuação do Cruzeiro, o sexto colocado. O tricolor colou no G-6, mas segue fora por causa dos critérios de desempate. Já o Atlético segue patinando, agora distante quatro pontos da zona de classificação à Copa Libertadores.
Com os dois gols diante do Atlético, Henrique Dourado atingiu uma meta traçada no começo de 2017 e superou sua melhor temporada. O centroavante chegou a 26 gols, superando 2014. Naquele ano foram sete gols pela Portuguesa e 18 gols pelo Palmeiras.
O primeiro tempo do Atlético foi muito ruim. Não fosse o goleiro Victor, o Fluminense poderia ir para o intervalo com um resultado muito melhor do que o 1 a 0.
O camisa 1 do time mineiro fez quatro boas defesas, em tentativas de Marlon Freitas, Lucas e duas de Gustavo Scarpa. Graças à boa atuação do goleiro o Atlético teve condições de voltar no segundo tempo e buscar o empate, conquistando mais um ponto como visitante.
Foi apenas a quinta partida de Roger Bernardo pelo Atlético. Após ir muito bem no clássico do primeiro turno contra o Cruzeiro, o volante ficou muito tempo sem jogar. Voltou apenas na derrota para o Grêmio, quando o Atlético jogou apenas com reservas.
Com dois titulares suspensos, Roger Bernardo recebeu nova chance e não foi muito bem. O camisa 85 não conseguiu marcar os meias do Fluminense e também foi mal no lance do gol marcado por Henrique Dourado. Atuação ruim e apenas 45 minutos em campo. Foi substituído por Valdívia e sequer voltou após o intervalo.
Como Fred está retornando ao time após ficar afastado por causa de uma lesão na panturrilha direita, o centroavante ficou no banco de reservas contra o Fluminense. Foi uma opção da comissão técnica para o centroavante ganhar mais tempo na preparação para ser importante para o time na brigar por uma vaga na Copa Libertadores.
Sem poder ajudar dentro de campo, Fred tentou fazer o possível lá do banco de reservas. Sempre conversando com o técnico Rogério Micale e orientando os companheiros que estavam em campo.
Aos 25 minutos do segundo tempo, o centroavante entrou no lugar de Rafael Moura. Apesar de ser um dos maiores goleadores da história do Fluminense, clube que defendeu entre 2009 e 2016, Fred foi bastante vaiado pelos torcedores presentes no Maracanã, pela maneira como trocou o clube tricolor pelo Atlético.Foram pouco mais de 20 minutos em campo, com uma participação discreta. Fred foi protagonista apenas quando fez falta no goleiro Júlio César e recebeu o cartão amarelo. Atitude que tira o camisa 9 do jogo com a Ponte Preta.
Após conseguir reduzir os custos para jogar no Maracanã, a diretoria do Fluminense optou em levar para o estádio todos os jogos que o time fizer como mandante até o final da temporada. No entanto, mesmo com custos reduzidos, o clube precisa da presença de público para não ter prejuízo.
Não foi o caso do jogo com o Atlético-MG. Foram pouco mais de 9 mil pagantes, muito abaixo dos 20 mil, o necessário para o Fluminense evitar prejuízo nos jogos disputados no Maracanã.
Somente em agosto o técnico Abel Braga conseguiu o feito de repetir a escalação de uma partida para outra. Para o duelo com o Atlético, o time inicial foi o mesmo que do empate sem gols com o Santos, na rodada anterior. Abel até brincou com o fato.
"Eu tomei um susto quando vi que não poderia mexer em nada, se não me engano, o banco é o mesmo do último jogo. Espero que já que isso aconteceu, podemos ter um rendimento melhor que contra o Santos", disse o treinador do Fluminense, antes de a bola rolar.
Um dia após completar um ano da conquista do ouro olímpico no futebol, nos Jogos Rio-2016, o técnico Rogério Micale voltou ao estádio pela primeira vez. Treinador da seleção brasileiro no ano passado, agora ele está no comando do Atlético.
FLUMINENSE
Júlio César, Lucas (Matheus Alessandro), Renato Chaves, Henrique e Léo; Orejuela, Marlon Freitas (Marcos Júnior), Wendel e Scarpa; Wellington Silva (Peu) e Henrique Dourado
T.: Abel Braga
ATLÉTICO-MG
Victor, Marcos Rocha, Leonardo Silva, Bremer e Fábio Santos; Roger Bernardo (Valdívia), Yago, Elias e Cazares (Robinho); Luan e Rafael Moura (Fred)
T.: Rogério MicaleEstádio: Maracanã, no Rio
Público: 9.248 pagantes
Renda: R$ 237.240,00
Juiz: Vinicius Goncalves Dias Araujo (SP)
Cartões amarelos: Wendel (F) Luan e Fred (A)
Gols: Henrique Dourado (F), aos 37 min do 1º tempo e aos 42 min do 2º tempo; Valdívia (A), ao 1º min do 2º tempo
(Folhapress)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BARRA DO ROCHA: HOMEM É ASSASSINADO À GOLPES DE FACÃO EM FAZENDA

'Um dos maiores da história', diz Petkovic sobre Júlio César

Vinícius faz golaço em empate do Real B, mas é expulso por simulação